Presos descobrem que trabalho vale a pena


(Crédito: Reprodução Facebook Mãos Amigas)

Há anos leva-se a premissa de que quem foi condenado por algum crime, tende a sair da prisão mais violento do que entrou. Outras pessoas ainda acreditam que quem cumpre pena não faz nada durante o tempo que permaneceu no sistema carcerário e apenas "usufrui das acomodações". Porém, existem projetos que acreditam na ressocialização desses presidiários e que eles podem ser incorporados à sociedade.

O programa Mãos Amigas é realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional do Paraná (Fundepar) em parceria com Depan. O objetivo do projeto é usar a mão de obra dos presos em pequenas reformas. A cada três dias trabalhados é reduzido um dia de prisão. O programa também incentiva à educação, pois os presos podem assistir aulas e ter acesso a biblioteca, tornando o confinamento menos hostil.

Reportagem de: Luis Gustavo de Oliveira

Leia essa e outas matérias no jornal Marco Zero

Este site foi criado em 2017 pelo curso de Bacharelado em Jornalismo do Centro Universitário Internacional.

A reprodução integral ou de parte do conteúdo é permitida desde que citada a fonte, incluindo o nome do autor e do site.

Política de privacidade