Beto Richa: de Amigo da Criança a vilão da educação básica

“Ascensão e queda, são os dois lados da mesma moeda. Tudo é igual quando se pensa em como tudo poderia ser. Há tão pouca diferença e tanta coisa a escolher”, já ditou Engenheiros do Hawai na clássica música e tão cheia de significados “A Revolta Dos Dândis II”. O ídolo que se ergue, o ídolo que é derrubado.

É mais ou menos isso que vemos na política paranaense nos últimos anos. Virou rotina no noticiário: o ex-governador Beto Richa se tornou réu pela terceira vez na Operação Quadro Negro. Depois que perdeu o foro privilegiado, ele já foi preso e solto três vezes em operações diferentes.

Além da Quadro Negro, ele é investigado nas operações, Rádio Patrulha, onde é apontado como chefe de organização criminosa, e na Operação Integração - braço da Lava Jato, onde é acusado de participar de esquema de pagamentos e vantagens indevidas pelas concessionárias de pedágio do Paraná.

Segundo as investigações da Operação Quadro Negro, o ex-governador destinou R$ 20 milhões de reais à construtora Valor, referentes à construção e reforma de escolas do estado, entre 2012 e 2015. Porém, essas obras nunca foram realizadas.

Ele também é acusado, de promover oito aditivos contratuais em obras de escolas públicas estaduais, para aumentar o valor repassado à construtora, em R$ 4,924 milhões. Em denúncia apresentada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), a construtora Valor teria sido orientada a propor um valor baixo na licitação para que vencesse o certame. Assim, seria compensada posteriormente com aditivos contratuais.

Em 2006, Beto Richa recebeu o prêmio de Amigo da Criança, concedido pela UNESCO, por conta de seu massivo investimento no ensino fundamental quando ainda era prefeito. No ano seguinte, 2007, foi eleito o “Melhor Prefeito do Brasil”, em avaliação dos Institutos Brasmarket e DataFolha.

A imagem de bom moço, construída ao longo dos seus 27 anos na política, é uma lembrança distante. Por enquanto, o legado que o acompanha dos seus tempos na política é a sua influência. Única coisa capaz de explicar como ele consegue se livrar da prisão.

17 visualizações

Este site foi criado em 2017 pelo curso de Bacharelado em Jornalismo do Centro Universitário Internacional.

A reprodução integral ou de parte do conteúdo é permitida desde que citada a fonte, incluindo o nome do autor e do site.

Política de privacidade