Minicursos do Enfoc tratam desde gamificação até os caminhos para chegar ao mestrado


Minicursos ministrados por professores da Uninter e também de outras instituições fizeram parte da programação do segundo dia do 15º Encontro de Iniciação Científica (Enfoc). As atividades ocorreram no campus Garcez, em Curitiba, e estudantes e pesquisadores do ensino presencial e a distância puderam participar. Ao todo, foram realizados 12 minicursos, que debateram desde gamificação, organização de referências bibliográficas, até os caminhos para chegar ao mestrado.

Saiba como foram outros 6 minicursos

O minicurso “Abordagem prática para a organização e usabilidade de referências bibliográficas em trabalhos científicos”, ensinou como organizar as referências utilizando o software Mendeley. Ministrado pelos professores Vinicius Pozzobon Borin e Cristiane Aparecida Huve, a ferramenta pode ser bastante útil para pesquisadores. “Em um trabalho longo e extenso, utilizamos dezenas de referências e existem softwares que servem para fazer essa gerência e consulta das bibliografias. O software Mendeley é para isso. Ele gera automaticamente as referências bibliográficas na citação que você quiser e também automaticamente exporta para Word ou LaTeX (editores de texto)”, explica Borin.

“A publicização, divulgação e memória das atividades acadêmicas: O currículo” foi o minicurso ministrado pela professora e coordenadora do Enfoc Desiré Dominschek. Ela conta que o objetivo foi reforçar aos pesquisadores a importância de relembrarem e armazenarem suas atividades acadêmicas. “É um minicurso que tem como a primeira ideia demonstrar que mais do que a gente ter esse registro numa plataforma e dizer o quanto que a gente já participou de eventos ou teve de publicações, é também registrar o que nós fazemos academicamente”, comentou Dominschek.

A professora Ivana Maria Saes Busato ministrou a oficina "Entendendo a plataforma Brasil para registros de pesquisas envolvendo seres humanos do sistema CEP/CONEP". Ela abordou os projetos que precisam ser analisados pelos comitês de ética científica nas instituições de ensino superior e que são submetidos através da Plataforma Brasil.

“Quero fazer mestrado: Os caminhos para chegar lá” foi o minicurso coordenado pelos professores Guilherme Carvalho, Mônica Fort e Ana Luiza Cordeiro. O minicurso tratou dos desafios que alguém que está na graduação precisa enfrentar para ingressar no mestrado. “É um desejo nosso que todo mundo que conclua a graduação possa seguir na pós-graduação e possa fazer um mestrado. Então, é ter muita dedicação, conhecer os editais e principalmente conhecer a área do programa, a área de concentração do programa em que ele quer desenvolver uma pesquisa. Porque uma afinidade com o tema é necessário”, explica Fort.

No minicurso “O potencial educativo da gamificação: RPG e protagonismo juvenil”, quinze alunos do Colégio Saliziana Itajaí testemunharam as atividades coordenadas por diferentes professores universitários. Os estudantes de ensino médio que fazem parte de um projeto de RPG no contraturno, estão desenvolvendo um jogo digital, desde a história até a arte conceitual. Umas das professoras ministrantes do minicurso, Melissa Holtz, explica a importância de se trabalhar a gamificação na educação: “É uma coisa que pode ser adaptada em diferentes contextos. E você trabalha muito o raciocínio lógico. Com puzzles no meio do jogo, a gente trabalha a questão da matemática, outras disciplinas como história e língua portuguesa. Então, é um projeto bem interdisciplinar que pode ser adaptado de várias formas”, conta.

As mestrandas Caroliny Capetta Martins, Emanuele Bitencourt Martins, Luciana Poniewas Katerberg e Thiana Maria Becker ministraram o minicurso “A Via Láctea e os Caminhos de Peabiru e de Santiago de Compostela”. "Falamos sobre a mitologia, apresentando mitos indígenas através de aplicativos tecnológicos como o Plotagon. Mostramos através dos óculos de realidade virtual imersiva, as principais constelações que habitam nosso céu, segundo a cosmovisão indígena", detalhou Becker.

Foto 1 e 2: Amanda Zanluca; Foto 3 e 4: Sabrina Fernades.

Tags:

35 visualizações

Este site foi criado em 2017 pelo curso de Bacharelado em Jornalismo do Centro Universitário Internacional.

A reprodução integral ou de parte do conteúdo é permitida desde que citada a fonte, incluindo o nome do autor e do site.

Política de privacidade