Entenda os motivos das manifestações de hoje

Ocorreram hoje em cidades de todo pais manifestações contra as reformas trabalhistas, reformas da previdência e convocação das diretas já. Entenda melhor os motivos:

Reforma Trabalhista:

Acordos coletivos – O trabalhador poderá fazer acordos com as empresas que se sobreponham a legislação trabalhista. Poderão ser acordados parcelamento de férias, redução de salário e o banco de horas.

Contrato por hora e home office – A versão final da Reforma trabalhista apresenta duas formas de contratação. A primeira é por jornada ou hora de trabalho e a segunda é o teletrabalho, popularmente conhecido como trabalho em casa.

Horas Extras – O funcionário terá obrigatoriamente que pagar horas extras quando solicitado, caso isso esteja acordado no contrato, esse trabalho extra pode ir até no máximo duas horas diárias.

Contribuição Sindical – Atualmente os funcionário sindicalizados ou não são obrigados a dar uma contribuição sindical anual, esse valor é equivalente a um dia de trabalho. Caso a reforma seja aprovada a contribuição será opcional.

Reforma da Previdência:

O principal ponto de incomodo dos trabalhadores sobre a reforma da previdência é o aumento da data mínima para aposentadoria, no caso das mulheres passou de 48 para 55 e para homens de 53 para 60 anos.

Diretas já

Diretas já é um movimento que tem ganhado força, e pede por uma emenda constitucional em que quando o presidente cair ao invés de ser feita a eleição indireta, em que o congresso nacional será quem escolherá o novo presidente as eleições diretas promovem novas eleições presidenciais.

O vice presidente do Sindijorpr (Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná) Pedro Carrano, acredita que as manifestações que vem ocorrendo tem causado desgaste no governo temer, mas apesar de causar pressão, o efeito é muito pequeno pelo fato de o Brasil ser composto de um congresso muito conservador.

“Se os trabalhadores aumentarem sua pressão, souberem dialogar com a sociedade e pautarem também a necessidade de eleições diretas, agente entende que isso gera também uma força de expressão sobre o congresso.”

A reforma trabalhista será votada pelo senado na próxima terça-feira, e caso seja aprovada, o presidente Temer poderá fazer alterações.

(foto: Kevin Capobianco)

2 visualizações

Este site foi criado em 2017 pelo curso de Bacharelado em Jornalismo do Centro Universitário Internacional.

A reprodução integral ou de parte do conteúdo é permitida desde que citada a fonte, incluindo o nome do autor e do site.

Política de privacidade