• Equipe Mediação

Moeda natural paranaense é tema de documentário


Público aguarda entrada na sala de exibição do longa "Pinhão". Crédito: Luis Gustavo

Pinhão, fruto tradicional e símbolo paranaense é também uma moeda de troca que substitui a moeda monetária em grupos de troca de produtos, fomentando a economia solidária na cidade. O documentário "Pinhão" conta justamente essa história. Criado pela cineasta Andréia Kaláboa e pelo corroteirista Guto Pasko, a equipe acompanhou a rotina de comunidades e famílias moradoras na periferia de Curitiba e região que praticam a economia solidária.


A ideia do documentário é mostrar os Clube de Troca, onde os preços não são medidos financeiramente, mas, sim, pelo pinhão e pela solidariedade de cada um. Segundo a criadora do documentário, Andréia Kaláboa, a intenção é contar a história de tantas pessoas que ainda mantém a cultura da troca. A montagem mostra um retratado de um grupo de idosos que se reúnem para trocar os seus produtos por outros com outras pessoas, permitindo um compartilhamento de ideias e experiências.


Após a exibição do documentário, foi realizado um debate com os produtores, uma participante e o público que assistiu, permitindo uma participação maior do público e interação com que fez ele. As gravações ocorreram em Almirante Tamandaré, Mandirituba e Curitiba. As cenas que aqui aconteceram, contaram com a participação de uma das idealizadoras do Clubes de Troca em Curitiba, dona Lourdes, que participou do debate de no encerramento da exibição do documentário.


Dona Lourdes conta que apesar de ter caído o número de clubes, ainda sim eles resistem ao sistema capitalista em que vivemos. Ela considera ainda que a economia solidária é um meio de você seguir vivendo no capitalismo mas sem “esmagar” as pessoas, como exemplificou. O documentário Pinhão terá uma segunda exibição na mostra Mirada Paranaense que será dia 12/06 no Cine Passeio.


Texto e foto por: Luís Gustavo

17 visualizações
Please reload

Radioweb Uninter
00:00 / 00:00

Este site foi criado em 2017 pelo curso de Bacharelado em Jornalismo do Centro Universitário Internacional.

A reprodução integral ou de parte do conteúdo é permitida desde que citada a fonte, incluindo o nome do autor e do site.

Política de privacidade